Todo viajante está sujeito a passar por alguns apuros durante o passeio

Sendo prevenido na hora de planejar sua viagem, e possível diminuir esse risco a índices mínimos. Mas imprevistos acontecem, não é mesmo? Assim, vale sair de casa já sabendo o que fazer nas seguintes situações:

Se sua bagagem se extraviar: caso você chegue ao destino e não encontre sua bagagem, não entre em pânico. Vá direto ao balcão da companhia aérea ou ao guichê de reclamação de bagagens e registre a queixa.

A parte ruim é que as companhias aéreas têm até três dias para entregá-la onde você estiver por isso levar uma muda de roupa e todos os objetos de valor consigo, na bagagem de mão, é essencial em viagens aéreas; a parte boa é que, apesar de os extravias serem muito mais comuns do que gostaríamos, os casos de perda de bagagem são raros.

Ter feito um seguro antes de sair do Brasil, ou ter comprado a passagem com um cartão de crédito que ofereça esse benefício, ajuda, já que a seguradora possui serviço de localização e identificação de bagagem extraviada. Muitas também oferecem reembolso de gastos emergenciais enquanto a bagagem permanecer desaparecida.

Caso sua mala se perca para sempre, a indenização devida pela companhia aérea é de vinte dólares por quilo de bagagem despachada. Outras indenizações e reparações de danos devem ser negociadas diretamente com a companhia ou na justiça, dependendo do caso.

Se você perder seu passaporte: procure imediatamente o consulado ou a embaixada brasileira ira fazer um documento provisório (eis mais uma razão para você manter sempre perco os telefones e endereços desses órgãos). Se você tentar viajar sem o passaporte, mesmo para destinos próximos de onde estiver, pode arrumar confusão. Vale também sair do Brasil com o documento original e uma cópia, para facilitar os procedimentos de confecção do documento provisório.

Enviar para o seu e-mail uma cópia escaneada do documento é sempre uma ideia prática e eficiente.

Se você perder seu cartão de crédito, cartão pré-pago ou traveler’s checks, ligue imediatamente para a central do cartão ou para a emissora dos traveler’s checks para comunicar a perda ou o roubo e solicitar a reemissão. No caso do cartão de crédito, a reemissão e a entrega fora do país costumam ser gratuitas e acontecer em 24 horas.

Mas vale lembrar que essas operações podem ser taxadas, e os valores variam conforme o banco e a operadora – verifique esses dados antes de viajar, para não ter surpresas desagradáveis. Já cheques de viagem perdidos costumam ter a segunda via entregue ao proprietário, onde ele estiver, sem custos, no prazo de até 48 horas. Mantenha esses telefones sempre com você, para diminuir o nervosismo comum a esse tipo de situação.

Se você perder um voo ou conexão: no caso de vôo independente, vale o que estiver escrito no biIhete – se ele for reembolsável e remarcável, perfeito; do contrário, a companhia aérea não tem obrigação nenhuma encaixar o passageiro em outro voo. Ainda assim, não custa ir até o balcão da companhia aérea, explicar seus motivos e torcer por um atendente compreensivo e um voo seguir com assentos vagos.

No caso de perder uma conexão, procure também diretamente o guichê da companhia aérea. Normalmente essas perdas são causadas por arrasas em voos ou mau tempo, e os passageiros são automaticamente alocados nos voos seguintes. Aliás, evite comprar voos cujo tempo de conexão seja muito apertado. No caso de trens, barcos e ferries, as regras variam muito de acordo com a companhia. Vale checar no site da empresa em questão quais são as regras.

Se seu voo estiver atrasado, com overbooking ou for cancelado: em qualquer um dos casos, procure o guichê da companhia aérea. Seja educado e tente ouvir com calma as informações passadas pêlos atendentes – esse item é essencial.

Existem mesmo circunstâncias que impossibilitam decolagens, como mau tempo, erupções de vulcão, furacões ctc. As normas e leis de proteção de passageiros são diferentes no Brasil e no exterior para esses casos; confira antes, na internet, quais são seus direitos e deveres no destino para o qual vai embarcar.

Na União Européia, por exemplo, atrasos superiores a duas horas já dão direito a voucher para alimentação no aeroporto. Em caso de atrasos superiores a oito horas, a companhia é obrigada a acomodar o passageiro em outro voo ou a reembolsar o valor da passagem em quase todos os destinos, com exceções aplicáveis em caso de catástrofes naturais.

Se seu voo estiver lotado, você tem direito a ser acomodado em outro. Mas atenção: a reclamação em caso de overbooking só é válida se o passageiro tiver comparecido para o check-in no prazo estipulado – no caso de voos internacionais, com no mínimo uma hora de antecedência.

Deixe uma resposta